A arte de pegar carona

 

A Expedio Carona Brasileira se despede da 3 etapa com a foto do pr-do-sol na Baa de So Marcos, voltando de Alcntara para So Lus do Maranho. Nesse post, pretendo esclarecer algumas dicas e macetes para quem deseja cair na estrada de carona, reiterando um dos objetivos do projeto que reativar e promover esse tipo de transporte alternativo em nosso pas.

 

A ordem geral para o caroneiro no dar trabalho ao motorista. Deve-se facilitar ao mximo a vida do condutor, para que ele possa te ver, parar e dar carona sem nenhuma dificuldade. Como? Veremos agora...

 

1) Viaje sozinho ou em casal. Carona j no fcil, imagine ento viajar junto com mais de duas pessoas e achar lugar para embarcar todo mundo. Sozinho voc consegue encarar as caronas mais impossveis, em lugares que s vezes mal cabe a mochila. Viajando em casal, a mulher desponta uma ateno maior do motorista, fazendo muita gente encostar. J dois homens por exemplo, inibe o condutor solitrio, que mesmo disposto a dar carona, no vai parar por falta de segurana, afinal no pensamento dele so 2 contra 1.

 

2) Se posicione no lugar certo. Na beira do acostamento o motorista precisa ver voc. Para que isso ocorra com maior tranqilidade, o trnsito tem que estar lento, devagar. Poucos tm a boa vontade de socorrer um viajante quando est correndo a 120 km/h. Deve-se procurar um ponto de reduo de velocidade, como por exemplo: Cruzamentos, entroncamentos, trevos, aps uma lombada, no posto da polcia rodoviria. Se nada disse tiver por perto, fique num ponto de reta, sem subidas, descidas ou curvas perigosas. Certifique-se que o acostamento seguro, no tem buracos ou desnveis para o motorista parar.

 

3) Fuja da rea urbana. Locais urbanos circulam muita gente, dando uma sensao de falta de segurana para o motorista. Muitas sadas de cidades apresentam periferias perigosas at mesmo para o caroneiro. Em cidades maiores a melhor coisa a fazer pegar um nibus para uma cidadezinha prxima, onde possa pegar carona com tranqilidade.

 

4) Carona com mochila nas costas. Mesmo estando cansado de carregar aquela mochilona pesada, na hora de tentar carona bom fazer um sacrifcio mantendo ela nas costas, pelo menos na primeira meia hora de espera. O condutor que passa por voc, acabada deduzindo que se trata de um viajante e no um malaco qualquer querendo aprontar alguma. O tamanho da mochila tambm ajuda a comover o motorista, pois muitos encostam para perguntar se est pesada ou precisando de ajuda. (continua abaixo)



Escrito por Jeferson Jess �s 14h34
[] [envie esta mensagem] [ ] []



5) Diga seu destino. Leve um caderno de desenho para escrever os destinos almejados, como se carregasse uma plaquinha. As caronas passam a ser mais precisas, deixando de fazer muitas conexes. Tome cuidado com o destino escolhido. s vezes, em locais de pouco movimento, no recomendado o uso da plaquinha, pois pode restringir demais as opes de carona.

 

6) Leve um bom mapa. Decore todas as ruas e cidades da regio onde voc est. comum o motorista parar e dizer que s vai at o Cafund do Leste, por exemplo. Se no souber onde ficam tais regies, poder perder caronas importantes e acabar no saindo do lugar.

 

7) Nunca fique parado. Se no est conseguindo ir pra tal lugar, tente uma cidade mais prxima, uma carona curta, ou um outro ponto de carona. Ficar muito tempo parado desperta olhares de curiosos e malandros, que sempre aparecem depois de certa hora, at mesmo nos lugares mais desertos.

 

8) Conte com a ajuda dos outros. Na dificuldade, procure um posto de gasolina ou da polcia rodoviria. Converse com os frentistas e policiais sobre tua carona pretendida. A maioria vai querer te ajudar. Quando algum parar para abastecer por exemplo, tente uma abordagem direta. Por mais que seja constrangedor, fale o que pretende, seja simptico e educado. Em lugares tursticos, fique de olho nas placas dos carros que esto estacionados. Perguntes ao guardador, quais deles esto lotados ou com pouca gente. Seja cara de pau. Em cada quatro tentativas, uma d certo.

 

9) Descole carona com antecedncia. Chegando nos povoados e vilarejos, converse com o povo sobre as caronas que pretende fazer amanh ou depois. Em lugares menores, todo mundo se conhece e muito comum algum lhe informar quem costuma ir para tal lugar com freqncia. No sorte e sim comunicao.

 

10) Esteja preparado para tudo. As caronas podem variar desde um confortvel carro de passeio, com ar condicionado e tudo, at nas caambas mais sujas de caminhes e sinistros paus-de-arara. Pegar carona um estado de esprito! Sem humor e gosto pela aventura, dificilmente conseguir viajar de carona com prazer, curtindo cada situao encontrada como uma nova experincia de vida. Mas cuidado! Depois da primeira trip com sucesso, voc ver que pegar carona vicia e causa dependncia...

 

Boa viagem!



Escrito por Jeferson Jess �s 14h32
[] [envie esta mensagem] [ ] []



Alcntara perdida e alugada

 

Um dos ltimos dias da expedio foi reservado para conhecer a cidade de Alcntara, do outro lado da Baa de So Marcos, numa viagem de barco que durou aproximadamente 1h30. Como agosto um ms de grande agitao martima, no foram poucos os marinheiros de primeira viagem que passaram mal, tanto na ida como na volta...

 

Alcntara possui uma histria to fascinante quanto revoltante pela decadncia que a cidade atingiu atualmente. Importante centro comercial e sede da aristocracia rural maranhense durante os sculos XVIII e XIX, Alcntara j fora importante antes mesmo de se tornar vila, servindo de base para os portugueses na expulso dos holandeses em So Lus.

 

Com a fundao da Companhia de Comrcio do Maranho em 1682, as fazendas da regio comearam a se estruturar, exportando arroz, acar, gado e algodo para o mercado ingls em plena Revoluo Industrial. Para dar conta do recado, dez mil escravos chegaram a trabalhar nas fazendas. Tanta prosperidade econmica criou uma verdadeira aristocracia na cidade. As famlias abastadas pautavam-se pelas ltimas modas inglesas e francesas, importando produtos e costumes. Os filhos dos senhores e bares iam estudar na Europa, formando uma elite intelectual que gerou governadores da provncia do Maranho e representantes na Cmara e Senado do Imprio.

 

 

Muitas so as causas apontadas para o declnio econmico em que Alcntara mergulhou no final do sculo XIX, para nunca mais se recuperar: abolio da escravatura, evoluo de tcnicas agrcolas, explorao excessiva do solo, maior facilidade no transporte de outras regies do pas. As reas das fazendas foram ocupadas pelos ex-escravos, que deram origem a muitos povoados ainda hoje existentes. O patrimnio histrico da cidade sofreu inmeras baixas, desde o roubo de peas das casas por colecionadores e moradores at confisco de peas pelo Governo Federal em 1889.

 

Sobrou cidade apenas um conjunto arquitetnico com mais de 300 prdios, muitos deles em runas. Os sobrados ainda exibem restos da antiga ostentao em sacadas de ferro, mirantes e azulejos portugueses. Na Igreja do Carmo, o altar-mor possui talhas douradas, caractersticas do barroco. Alcntara s lembra os tempos do passado quando no domingo de Pentecostes (50 dias aps a Pscoa), uma multido vem cidade celebrar a Festa do Divino Esprito Santo.

 

 

comum encontrar em Alcntara a presena de muitos militares que trabalham no Centro de Lanamento de Foguetes, a 6 km da cidade. A base ficou famosa por causa da exploso da plataforma em 2003, matando 21 pessoas. Outro fato que ainda chama ateno na mdia o suposto uso da base pelo exrcito norte-americano, que acaba impondo vrias restries at mesmo para pesquisadores e cientistas brasileiros. Alm do passado perdido, Alcntara corre o risco de se tornar uma colnia americana em pleno territrio nacional. Uma das escolas j homenageia o novo mito: Unidade Integrada Presidente John Kennedy!  Agora s falta os ianques patentearem os gostosos docinhos de espcie, guloseima tpica da regio...

 



Escrito por Jeferson Jess �s 19h02
[] [envie esta mensagem] [ ] []



Enquanto isso, em Curitiba...

 

Paran Clube despacha mais um e segue como vice-lder do Campeonato Brasileiro. A prxima rodada valer o ttulo do primeiro turno, j que a equipe paranista joga com o So Paulo, atual lder. D-lhe tricoloorrr!!!!

Ficha tcnica: Paran 1 x 0 So Caetano.

 

Foto: Divulgao (montagem sob o Estdio Pinheiro)

 

 



Escrito por Jeferson Jess �s 21h33
[] [envie esta mensagem] [ ] []




[ ver mensagens anteriores ]



Objetivo da Expedi��o
Contornar todo o litoral da Am�rica Latina utilizando apenas a carona! Uma aventura que vai promover a pr�tica deste transporte alternativo e resgatar o humanismo entre as pessoas.


Pr�xima etapa
Data ainda indefinida (depende de apoios e parcerias). Sa�da de Curitiba, contornando todo o cone sul at� alcan�ar a cidade de Santiago, no Chile.


Meu perfil
Jornalista e arquiteto de informa��o, 25 anos, ainda morando em Curitiba, Brasil. (ver portf�lio)


Entre em contato
>>
>>


Expedi��o no Orkut



Arquivo secreto
Jan / Fev - 2008
- P�ndulo humano
- Fundos de investimentos pe�onhentos
- Praia do Sono, Antigos, Ponta Negra
- Condom�nio Laranjeiras
- Travessia da Joatinga, Camburi (Ubatuba)

Out / Nov / Dez - 2007
- Surfando na carona do trem
- Ilha do Cardoso
- Cochilo em Canan�ia

Set / Ago - 2007
- Mundos distintos
- Idade nova em transe matinal

Jul / Jun - 2007
- Di�rios do viol�o
- Ilus�o do engano
- Old generation

Maio / 2007
- O turismo cemiterial
- Caronas arriscadas
- Cachoeira da Fortuna

Abril / 2007
- Paniquetes pegando carona
- Retrato dos exclu�dos
- Peregrina��o pelo Caminho de Peabir�
- Quando o rock fala mais alto

Mar�o / 2007
- C�nion do Guartel�
- Terra das cachoeiras gigantes
- O turismo revolucion�rio
- Truque de acostamento
- Carma de Conquistador

Fevereiro / 2007
- Carnaval em Superagui
- Ficando na estrada
- Lapas e tro�os nas praias do Paran�

Janeiro / 2007
- Pared�es do sul
- Subindo a serra
- Praia do Rosa, Farol de Santa Marta
- Garopaba, Ferrugem

Dezembro / 2006
- Guarda do Emba�
- Governador Celso Ramos, Florian�polis
- Tempos estranhos em Santa
- Aquece para a quarta etapa
- Caindo fora

Novembro / 2006
- Carona � uma merda
- Guia gringo para pegar carona
- Medo e del�rio no Rio de Janeiro
- O drama de um caroneiro

Outubro / 2006
- Ponto de carona
- Carona na rede
- Chapada Diamantina - parte 3
- Chapada Diamantina - parte 2

Setembro / 2006
- Chapada Diamantina - parte 1
- Quanto custa viajar de carona no Brasil
- Devaneios de Ilha Grande

Agosto / 2006
- Expedi��o j� planeja 4� etapa
- Alc�ntara, A arte de pegar carona
- Rio Pregui�a, S�o Lu�s do Maranh�o
- Delta do Parna�ba, Len��is Maranhenses
- Lagoinha, Jericoacoara

Julho / 2006
- Canoa Quebrada, Fortaleza, Beach Park
- S�o Miguel do Gostoso, Touros, Galinhos
- Ba�a Formosa, Praia de Pipa, Natal
- Jacum�, Tambaba, Jo�o Pessoa, Mamanguape

Junho / 2006
- Recife, Olinda, Ilha de Itamarac�
- Carro Quebrado, Maragogi, Porto de Galinhas, Caruaru
- Aracaju, Penedo, Macei�
- Salvador, Arembepe, Praia do Forte, Mangue Seco
- Parceiros de trip

Maio / 2006
- Chamando o gonzo
- Na espera!
- Vai come�ar a 3� etapa da expedi��o


Sites bacanas
Atire no dramaturgo
Blnicas
BrPoint
Caronas.com
Cmera Digital
ClickMarket
Coluna Extra
Contraditorium
DegustaParania
Digestivo Cultural
Esportes diferentes
Fbio Seixas, verso .txt
Freelancer - profi que rala
Hitchhikers.org
Hostelling International
Intermezzo
Interney
Jornalistas da Web
Mochileiros.com
NovoMundo.org
Obvious
Observatrio da Imprensa
Papo de Homem
Popload - Lcio Ribeiro
Querido Leitor
Revoluo Etc
Usabilidoido
Viaje Aqui
ViuIsso?
Webinsider

Sites parceiros
360grauss
Blog do Noel
Cledson Down
De gra�a � mais gostoso
Guia do Viajante
Jegue-BR
Melhores da Web
One Zillion Dollars
O melhor para download
O seu lazer na web
Pil�ndia
Plant�o NET
Publicidade e propaganda
P�rolas do Orkut
Resistindo
Teobaldo HP
Trilha do Brasil
Verdade Absoluta


Site Meter

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com



Free Page Rank Tool

--------------------------------